quarta-feira, 5 de novembro de 2014

Poema ao Não-Amor

Incólume, a buscar a água.
As ruas nuas, o vestido sujo, as rendas negras,
À borda do rio, as botas de cano alto, prontas para cair.
O fantasma sempre a me rondar,
Me salvou - me carregou.
Não pode morrer - quem morta está.
Não pode amar, quem amada é.

Rios opostos a correr. Em meus sonhos, suas lágrimas correm.
E caminham como pés descalços.
 

Jurei por fantasmas. Estavam todos aqui. Os religiosos? Cegos.
Meus olhos brilham, ao te ver.
Vivo, por teu nome, mortos, por tua dor.
Dorme pedra ferida, em um coração amigo. 
Ellen Augusta

2 comentários:

  1. Que belo poema, Ellen! Desses de engasgar a alma! Você e o Ezio... Não poderia ser melhor!! Grande beijo.

    ResponderExcluir
  2. Qual o nome completo da autora? Ellen do que?
    Achei muito lindo.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...