segunda-feira, 12 de maio de 2014

As tranças para fios translúcidos

A mãe:
Quando vi a morte em seu corpo
Percebi o que se passaria.
Como poderia te contar? Que não nos libertaríamos juntas, das crenças nos deuses inúteis, ilusórios?
Que não morreríamos no mar?
Você me disse que o mar era deus. E só. Em você acreditei.
E que depois da morte tudo se acabava.
Pois hoje eu sei que tudo se vai através dela.

La Santa Muerte:
Depois do fim, o fim.
Da natureza de toda sua dor.
A morte, lúgubre deusa.
A que, com toda certeza, existe.
Pois a vi, estive com ela, e a senti em mim.
A translucidez entre os mundos.
O poético e o luto.
O fatídico e o distanciamento.
A solidão e as lágrimas.

A mãe:
Ela carregava a morte em seu corpo como uma pequena chama, que a consumiu por completo.

El camposanto:
Eu prometo a mim
que estarei lúcida,
livre de deuses e crenças.
Não importa o que digam, quero estar só.
Como um farol no meio do oceano,
para escrever sobre aquela que conseguiu ir.
Sozinha, deste mundo, para o começo do silêncio.

Ellen Augusta

Um comentário:

  1. Assim que for preenchida a certidão de nascimento de alguém, podemos estar certos de que dentro de algumas décadas será preenchida a sua certidão de óbito. Isso é inevitável.

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...