terça-feira, 17 de setembro de 2013

Poema para Lorena


A vida como um imenso hospital
Pelos corredores um fim de tarde invade as vidraças
Ando à noite, escapo à visão dos estranhos
Que sensação é estar vivo em meio a doentes.
Lanço cacos de vidro ao chão. Deita-se em meio a fragmentos, tudo é dor.
Olhamos para as paredes de um mundo, estamos provisoriamente aqui, eu sei.
Presos em grades e acorrentados a conceitos estreitos.
O oceano está distante, a estrada perseguida outrora, a companhia de um amigo. Deixei tudo lá fora.
Neste sonho, enferma, conto as horas e lembro de histórias, passo o tempo a contar com colegas de quarto as angústias tais, que ninguém pode entender.
Sabemos certamente o que é ser sozinho, sabemos certamente o que é ser confinado mas um silêncio inteiro preenche a origem de tudo.
Não há nada além de um presente, um presente de vazio.
Quando percebi que estava ferida, não consegui levantar-me sozinha
Esperei um longo tempo até amanhecer, caminhei silenciosamente até que ninguém pudesse saber.
Pedi ao tempo que jamais fizesse lembrar e ele não pode atender meu pedido em virtude de minha capacidade de ser.
A cada olhar, a cada contato com a presença, com a lembrança, com a ausência, meu ser inteiro se desfazia e um mundo inteiro se fazia novo.
Ellen Augusta Valer

Um comentário:

  1. Engraçado que nem sabia que era você que tinha escrito,e fui lendo e lendo e pensando....Como parece a Ellen falando dela mesma,do sofrimento,da dor....
    Deusa

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...